O Marketing Digital de Conteúdo só cresce a cada ano que passa desde a última década, à medida que cada vez mais pessoas estão online comprando, lendo, jogando e navegando. Até algum tempo atrás, o orçamento das empresas para internet giravam em torno do Social Media, que era manter um relacionamento com o cliente por meio do Facebook, Twitter, LinkedIn (mais recente) e websites 2.0.

Dentro do budget destinado ao Marketing Digital, em grande parte das empresas, a estratégia começou a ser em torno de investir em publicidade direcionada por busca, principalmente se utilizando de palavras chave em torno dos produtos. Isso trouxe cada vez mais visitantes interessados aos canais da empresa, gerando excelentes resultados .

O tempo passou e essa estratégia foi ficando cada vez mais popular. Bom para o principal fornecedor desta estratégia de publicidade direcionada, o gigante americana Google, que trabalha no modelo de leilão de palavras chave (seguindo a lei da oferta x demanda). Como a demanda pelo serviço aumentou, a estratégia de venda do Google tornou a estratégia cada vez mais cara, elevando diretamente o orçamento de Marketing da empresa.

O Adwords se tornou na maior parte das empresas a ferramenta mais rápida de encontrar clientes, porém no longo prazo para muitas delas viram seu orçamento aumentar muito sem que a receita se elevasse na mesma proporção. Isso reduziu a lucratividade dos canais, fazendo as organizações repensarem suas estratégias de marketing.

Buscando encontrar outra forma de rentabilizar seus canais de venda, os profissionais do marketing tiveram que encontrar outro meio de aparecer para seu consumidor no ambiente virtual:  tendo uma boa indexação orgânica. A s empresas começaram a descobrir  então que outras formas de marketing digital precisavam ser aplicadas nas suas estratégias,  de modo que era possível aparecer na primeira página do Googles sem a necessidade de investir em publicidade, se o conteúdo pelo qual a organização compartilhava fosse interessante e engajador para as pessoas. 

Ou seja, era preciso falar de assuntos interessantes ao mesmo que isso fosse vinculado a marca, caso contrário não traria resultados.  Isso envolve basicamente três estratégias somadas: SEO (Search Engine Optimization), Relevância e Conteúdo .

Nesse post estamos falando basicamente de conteúdo.

 

Mas como começar uma estratégia de conteúdo que seja orientada para o produto?

Antes de começar a falar de produção de conteúdo, é importante ter em mente que marketing digital consiste em um constante trabalho baseado em erros e acertos. Isso significa que mesmo os grandes profisisonais do Marketing e Comunicadores não tem plena certeza já no início do que vai engajar as pessoas de fato com aquela marca ou conteúdo, criando estratégias de sucesso logo de cara. Como estamos lidando com o comportamento das pessoas, aquilo que parece ser interessante do ponto de vista da empresa pode não ter relevância nenhuma para a vida das pessoas. Portanto tenha em mente que a empresa pode passar por um período inicial de aprendizado, onde vai-se aprimorando a partir dos resultados analíticos dos canais de marketing buscando cada vez mais aprimorar o conteúdo e criar assuntos cada vez mais pertinentes. Com isso, vão surgir os posts mais acessados, os conteúdos mais relevantes e também aqueles que vão frustrar a equipe, que deu um enorme trabalho pra fazer e ninguém abre.

Com o tempo, naturalmente a equipe vai aprendendo como lidar com seus leitores. O marketing orientado para conteúdo é sempre, SEMPRE, uma estratégia de longo prazo.

Após compreender bem essa premissa, fica mais fácil começar.

Segundo o próprio Google em seu e-book ZMOT (Zero Moment of Truth ou Momento Zero da Verdade em português, recomendo fortemente a leitura para quem deseja iniciar suas estratégias, é de graça) as pessoas acrescentaram uma nova etapa na sua tomada de decisão de compra: a busca. Até então, o primeiro contato das pessoas com as marcas eram por meio de um vendedor, loja física ou website, onde iniciava a experiência de compra, chamado de FMOT (First Moment of Truth).

Para o Google, atualmente antes de entrar em contato com a marca, existe o momento Zero (ou o ZMOT), onde a pessoa faz pesquisas e analisa informações antes de pensar em tomar a decisão de compra. Essa busca por informações acontece na internet, mesmo que o produto seja offline, vendo vídeos, lendo textos e ouvindo a opinião das pessoas. Por exemplo, o Google estima que para a compra de um carro, as pessoas despertam o interesse e começam a pesquisar sobre, cerca de 6 meses antes da aquisição do veículo.

As estratégias de marketing passam então a girar em torno de posicionar a marca no momento Zero do cliente, no momento em que ele decide buscar sobre algo que deseja comprar ou algum assunto que envolve o seu produto. Assim, a marca trabalha o ajudando a escolher a melhor opção e desenvolver valor percebido sobre o produto, para que posteriormente tome a decisão correta.

A empresa produz conteúdo das mais diversas formas, sempre com foco no comportamento do cliente. As estratégias normalmente vão em torno de blog, fórum canal no Youtube, E-books ou Webinars que engajem o consumidor com a marca.

No Blog do Ciranda, um dos assuntos abordados é o marketing de conteúdo e como trabalhar com estratégias efetivas que tragam clientes para a empresa. Entendemos que esse é um processo que deixa de fazer do setor de marketing um custo e passa a torná-lo um invesitmento. Já imaginou o seu CFO ou Financeiro querendo aumentar cada vez mais o orçamento para a equipe, porque consegue ver claramente como isso aumenta os resultados da empresa?

Para saber mais sobre estratégias de Marketing de Conteúdo, participe do Blog do Ciranda !